Saúde do homem: por que a prevenção é o melhor caminho

saúde do homem

Quando o assunto são os cuidados com a saúde, não é exagero nenhum dizer que o público feminino tem uma atenção maior no que diz respeito ao autocuidado comparado ao público masculino. 

Estamos entrando em novembro, um mês voltado à atenção da saúde do homem, entretanto medidas preventivas precisam ser tomadas o ano todo. 

No artigo de hoje, vamos falar sobre a saúde do homem de modo mais aprofundado, mostrar quais são as doenças que mais acometem o público masculino e o mais importante de tudo: Como preveni-las. 

Novembro azul e a saúde do homem 

Da mesma forma que o outubro rosa é dedicado à saúde da mulher, visando principalmente o câncer de mama, a campanha novembro azul é destinada à saúde do homem com o foco principal no câncer de próstata. 

De acordo com dados do INCA – Instituto Nacional do Câncer, hoje o câncer de próstata é o que mais acomete homens no Brasil e é o segundo com maior taxa de mortalidade. A expectativa para 2020 são de 65 mil novos casos e de pouco mais de 15.500 óbitos. 

A incidência do cancro prostático aumenta de maneira significativa a partir dos 50 anos de idade. Cerca de 30% dos homens com 50 anos de idade e 50% com 80 anos desenvolvem a condição. 

Embora sejam dados preocupantes, a boa notícia é que a prevenção é possível, mas é preciso tomar algumas medidas. 

Homens vivem menos que mulheres 

Quando se fala em prevenção e autocuidado, as mulheres são quem geralmente tomam iniciativas próprias.  

A cultura de ir ao médico entre o público masculino é mais restrita. Ainda existe muito receio, medo e até mesmo preconceito por parte dos homens em buscar prevenção e ajuda. 

Um levantamento realizado pelo Centro de Referência em Saúde do Homem em São Paulo mostrou que 70% dos homens que procuram um médico tiveram influência da mulher ou dos filhos.

O mesmo levantamento também mostrou que mais de 50% dos homens que adiam a ida ao médico, chegam com doenças em estágios avançados. 

O último censo realizado em 2018 mostra isso na prática. Hoje o brasileiro vive em média 76,3 anos, mas a média das mulheres é de 79,9 anos enquanto a masculina é de 72,8 anos. 

É mais do que claro que essa ausência de cuidado com a saúde por parte do público masculino resulta em uma mortalidade mais precoce. 

Doenças que mais acometem o público masculino 

Pensando particularmente em saúde do homem, fizemos um levantamento das doenças que mais atingem o público masculino. São elas:

  • Doenças cardiovasculares;
  • Obesidade;
  • Pneumonia;
  • Complicações hepáticas;
  • Câncer de próstata. 

Doenças cardiovasculares

Atualmente, as doenças cardiovasculares são responsáveis por cerca de 30% das mortes registradas no Brasil e afetam principalmente os homens.

Infarto agudo do miocárdio, hipertensão arterial, acidente vascular cerebral – AVC, arritmias cardíacas e acúmulo de placas de gordura nos vasos sanguíneos são as principais. 

Esse tipo de patologia e 

Obesidade

De acordo com a OMS, a obesidade se tornou uma epidemia mundial. Trata-se de uma condição de saúde de ordem multifatorial, ou seja, causada por vários fatores. 

Causada por um estilo de vida descuidado, a obesidade facilita a instalação de muitas outras patologias, como as próprias doenças cardiovasculares que acabamos de mostrar, diabetes tipo II, gota, apneia do sono e diferentes tipos de câncer. 

Ao longo do tempo, a obesidade afeta direta e negativamente a saúde do homem, podendo causar morte súbita. 

Pneumonia

A pneumonia é uma das doenças com maior incidência no público masculino. Homens apresentam maior probabilidade de morrer por essa doença, mas não por questões relacionadas à biologia masculina. 

De acordo com pneumologistas, a maior taxa de mortalidade de pneumonia no público masculino se deve a um conjunto de comportamentos de risco e hábitos que são, geralmente, mais frequentes nos homens. Alguns desses hábitos são:

  • Alimentação desequilibrada e, muitas vezes, inadequada; 
  • Ausência de autocuidado em relação às condições climáticas (não se agasalhar bem em temperaturas mais baixas);
  • Baixa ingestão de água, ou seja, falta de hidratação. 

Complicações hepáticas

Complicações hepáticas como cirrose, hepatites e esteatose hepática são mais comuns nos homens do que nas mulheres. 

Essas alterações do fígado estão relacionadas de forma direta ao estilo de vida masculino, que compreende principalmente má alimentação e grande ingestão de bebidas alcoólicas. 

Câncer de próstata

E por fim temos o câncer de próstata que ocorre principalmente por conta da fisiologia masculina conforme há o envelhecimento natural e alterações genéticas, além de histórico familiar, fatores hormonais, certos hábitos alimentares (dieta rica em gordura, com poucas verduras, vegetais e frutas), sedentarismo e excesso de peso. 

Saúde do homem: prevenção é fácil e eficaz 

E quando falamos de saúde do homem é possível afirmar, sem sombra de dúvidas, que a prevenção é sempre o melhor caminho. 

O primeiro passo para prevenção é uma conscientização sobre a importância de cuidados e diminuir o estigma de que buscar ajuda especializada é sinal de inferioridade

De maneira recorrente, buscar profissionais da saúde como médicos especialistas, nutricionistas e educadores físicos é algo que funciona de maneira comprovada. 

Buscar um médico especialista ao menos duas vezes por ano permite check ups regulares e detecção de enfermidades em estágio ainda precoce, o que aumentam as chances de cura e diminuem a probabilidade de complicações.

Nutricionistas e educadores físicos de maneira conjunta a médicos são os profissionais indicados para orientação sobre alimentação e atividades físicas de maneira individualizada. 

Assim, as melhores medidas de prevenção visando a saúde do homem são:

  • Realização de consultas médicas e exames regulares;
  • Praticar uma alimentação mais saudável e equilibrada;
  • Praticar atividades físicas que lhe sejam prazerosas. 

Além disso, controlar o estresse e buscar atividades de lazer agem literalmente como agentes protetivos sobre à saúde masculina. 

Falando de maneira popular, é melhor prevenir do que remediar. É importante ter em mente que o custo da prevenção sempre será mais barato do que o do reparo. 

 

Quer ler mais sobre saúde, nutrição e qualidade de vida? Acesse o Blog da Dovalle clicando aqui e descubra os melhores conteúdos! 

Saiba quais são os sintomas do câncer de mama e como identificar a doença

sintomas do câncer de mama

Outubro é conhecido como mês de combate e prevenção ao câncer de mama de forma mais aprofundada. 

No Brasil, devido às campanhas de conscientização sobre a doença, o mês acaba sendo conhecido como Outubro Rosa. Diferente do que muitas podem acreditar, a prevenção e a cura são situações totalmente alcançáveis a todas as mulheres.

Mas quer saber exatamente o que é câncer de mama, quais os principais sintomas e como prevenir-se da doença? A gente te explica tudo, é só continuar com a leitura! 

O que é o câncer de mama, afinal?

O câncer de mama é um tipo de tumor maligno que se desenvolve no tecido mamário como consequência de modificações genéticas no conjunto de células da mama, que passam a se dividir de maneira descontrolada.

Tanto em países desenvolvidos quanto em países subdesenvolvidos, esse é o tipo de cancro que mais acomete as mulheres.

Embora seja citado de maneira generalista, o câncer de mama possui tipos e subtipos. Entretanto, de maneira geral, o diagnóstico leva alguns critérios em consideração, como sua extensão e possibilidade invasiva.

Independente do tipo, é importante elencar que, na maioria dos casos, existe um bom prognóstico.

Números do câncer de mama no Brasil 

No Brasil, o INCA – Instituto Nacional do Câncer é o responsável pelo acompanhamento de números de novos casos e a elaboração de estimativas anuais para cada variação da doença.

De acordo com os números divulgados pela organização, em 2020 a expectativa é de que pouco mais de 66 mil brasileiras sejam diagnosticadas com a patologia.

Principais sintomas

Os sintomas do câncer de mama podem variar de acordo com o tamanho e o estágio. Na maioria das vezes, os estágios iniciais não apresentam sintomas. É muito comum que com o passar do tempo o tumor se torne perceptível ao toque. 

Além de formação de um pequeno caroço na mama, outros sintomas desse tipo de câncer são:

  •         Vermelhidão, inchaço ou calor na mama;
  •         Alteração no formato das mamas e/ou dos mamilos;
  •         Presença de nódulos na axila;
  •         Presença de secreção saindo pelo mamilo;
  •         Enrugamento da pele da mama – semelhante a uma casca de laranja;
  •         Surgimento de ferida sem explicação na mama.

Por isso, é muito importante a realização de exames preventivos de maneira sazonal como forma de diagnosticar a doença de maneira precoce. O Outubro Rosa acontece apenas um vez ao ano, mas os cuidados precisam ser constantes. 

Identificando a doença

A melhor forma de identificar a doença se dá por meio da realização de exames preventivos. Os mais comuns nesse caso são:

  •         Mamografia;
  •         Ressonância magnética.
  •         Ecografia;
  •         Ultrassonografia mamária.

Todos esses exames são capazes de identificar pequenas massas tumorais ainda em estágio inicial. Quando algum pequeno tumor é encontrado, a recomendação é a realização de uma biópsia para identificar se as células são tumorais ou não.

Caso o diagnóstico seja concluído, é feito então um estudo de receptores hormonais e classificação histológica para definição do melhor tratamento possível.

Conhecendo as Causas

O câncer de mama tem como causas principais alterações genéticas relacionadas à saúde das células que podem sofrer estímulos ambientais como tabagismo, sedentarismo, má alimentação, obesidade e alcoolismo.

Além disso, o câncer de mama muitas vezes pode ser resultado de um amadurecimento hormonal precoce.

De sua primeira menstruação ao início da menopausa, hormônios como progesterona e estrogênio estimulam as células mamárias normais. Nessa exposição, durante o decorrer da vida, acredita-se que o risco de desenvolvimento de câncer de mama é aumentado.

No entanto, ainda não é claro se o amadurecimento precoce de estrogênio ou demais hormônios causam o câncer de mama. O que se sabe é que mulheres que têm o ciclo menstrual antes dos 12 anos, têm filhos após os 35 anos ou passa pela menopausa após os 55 anos de idade, tem risco aumentado para surgimento da doença.

Prevenção

Como se sabe, a prevenção é a melhor forma de se combater o câncer de mama. Estudos mostram que em casos de detecção precoce as chances de cura superam a faixa dos 95%.

De maneira geral, a prevenção tem início quando a mulher atinge os 40 anos. É com essa idade que os médicos recomendam a realização de exames preventivos, como a mamografia, por exemplo. Nesse caso, o ideal é que esse exame de imagem seja feito anualmente.

No entanto, caso haja casos de câncer de mama na família, o exame deve ser feito anualmente, a partir dos 35 anos de idade.

O especialista responsável por ajudar no processo de prevenção e diagnóstico precoce é o ginecologista.

De maneira geral, além da realização de exames, a prevenção também pode ser baseada no controle a estímulos cancerígenos e fatores protetores. Estima-se que por meio da alimentação, nutrição e prática de atividade física é possível reduzir em até 30% o risco da mulher desenvolver o câncer de mama.

Evitar a obesidade, controlar o peso corporal e evitar o consumo exacerbado de bebida alcoólica são consideradas medidas básicas para prevenir o câncer de mama. Além disso, a amamentação também é considerada um fator protetivo.

Ser diagnosticada com câncer de mama é uma notícia dura e desafiadora, mas a boa notícia é que os índices de cura são extremamente altos e o prognóstico na maioria das vezes é positivo.

E já que estamos falando em câncer de mama, que tal saber um pouco mais sobre saúde da mulher? Te convidamos a ler um conteúdo que aborda o assunto de maneira profunda e funcional. Para leitura basta, clicar aqui!