O que é imunidade inata e adquirida? Quais suas diferenças?

o que é imunidade

O sistema imune é formado por uma extensa rede que envolve órgãos, células e moléculas cuja finalidade é manter a homeostase do organismo por meio do combate de agentes agressores externos. Muita gente não sabe o que é imunidade, tampouco tem o conhecimento que temos dois tipos distintos de proteção que são a imunidade inata e a imunidade adquirida.

No artigo de hoje vamos te mostrar o que é imunidade inata e adquirida, como o sistema imune funciona e quais são as formas de aumentar a defesa natural do organismo. Vamos conferir?

Compreendendo o sistema imunológico 

O sistema imunológico é na verdade, como o nome já sugere um conjunto de elementos existentes no corpo humano.

Esses elementos interagem entre si com um objetivo em comum: Defender o organismo de doenças causadas por agentes externos e internos como vírus, fungos, bactérias e demais tipos de microrganismos.

De maneira simplória é possível afirmar que o sistema imunológico atua como um escudo (ou barreira) sendo literalmente nossa defesa.

Resposta imune 

O processo de defesa do corpo humano por meio de atuação do sistema imunológico recebe o nome de resposta imune, popularmente chamada de imunidade.

Existem ao todo dois tipos de resposta imune: a inata, também chamada de natural ou não específica e a adquirida também chamada de específica ou adaptativa. Como vamos te mostrar logo a seguir.

O que é imunidade Inata e adquirida? 

Sempre que se fala sobre funcionamento do sistema imunológico, principalmente agora em tempos de pandemia de Covid-19 a discussão sobre imunizantes é ampla surge o questionamento: Afinal, o que é imunidade inata? Qual é a sua diferença para a imunidade adquirida?

Entendendo o que é imunidade inata 

A imunidade inata é considerada a primeira linha de defesa do organismo humano. Todos nascem com uma proteção rápida sem especificidade e limitada aos estímulos corporais.

A imunidade inata é representada por barreiras físicas, químicas e biológicas além de células moléculas presentes em todas as pessoas.

Os principais componentes da imunidade inata são:

  •         Barreiras físicas e mecânicas;
  •         Barreiras fisiológicas;
  •         Barreiras celulares;
  •         Barreira inflamatória.

As barreiras físicas e mecânicas têm como objetivo retardar ou impedir a entrada de molecular e agentes infecciosos no organismo. Como exemplos podemos citar a pele, cílios, mucosas, fluídos corporais e ações físicas como tosses e espirros.

As barreiras fisiológicas por sua vez atuam de modo a inibir ou eliminar o crescimento de organismos patogênicos. Alguns exemplos são o aumento da temperatura corporal, a acidez estomacal, a presença de bactérias intestinais.

As barreiras celulares agem de maneira a tentar expulsar partículas de microrganismos estranhos tentando eliminá-los do organismo. Linfócitos, leucócitos, neutrófilos, monócitos e macrófagos constituem a barreira de defesa celular do organismo.

E por fim temos a barreira inflamatória que nada mais do que o processo de inflamação em si agindo de modo a agredir tecidos do próprio organismo, mas prevenindo possíveis danos ainda maiores.

De maneira simplória é possível considerar a imunidade inata como um processo de defesa automático do organismo que ataca qualquer tipo de ameaça à saúde que encontra pela frente.

Além disso, é a resposta imune inata que aciona mecanismos de funcionamento da imunidade adquirida.

Compreendendo o que é imunidade adquirida 

A imunidade adquirida (ou adaptativa) como o nome já diz é um tipo de proteção específica e se desenvolve durante a vida de uma pessoa enquanto ela entra em contato com agentes invasores.

Esse tipo de proteção entra em ação quando a imunidade inata não é suficiente para garantir a proteção ao organismo.

Quando o organismo entra em contato com um agente invasor, como um vírus, por exemplo muitos eventos fisiológicos ocorrem, levando à uma ativação de células específicas e à produção dos chamados anticorpos.

Essa imunidade específica então pode ser chamada de humoral e celular.

A imunidade humoral é ativada por células chamadas de linfócitos B e envolve a produção de anticorpos a determinadas doenças, principalmente causada por vírus, como é o caso do Sarampo, por exemplo.

Uma pessoa que pega Sarampo uma vez, não desenvolve mais a doença porque o organismo adquiriu imunidade ao ser exposto ao vírus pela primeira vez e desenvolveu anticorpos para combatê-lo.

Já a imunidade celular é ativada também por células de defesa, mas nesse caso pelos linfócitos T. Quando microrganismos como vírus e bactérias conseguem sobreviver e se proliferar dentro do organismo e se tornam inacessíveis aos anticorpos, as células T se incubem de destruir os microrganismos ou causar a morte das células infectadas visando eliminar a infecção.

Sistema imunológico baixo 

Para que o organismo seja capaz de se proteger, o sistema imunológico deve estar operante e funcional.

No entanto algumas doenças como é o caso do diabetes e da AIDS, disfunções como em caso de alimentação inadequada ou uso de determinados medicamentos podem contribuir para uma disfunção do sistema imunológico causando uma condição conhecida como sistema imunológico baixo ou imunidade baixa.

Nessa situação o indivíduo pode ficar mais suscetível à ação de agentes externos. Assim é importante detectar o que está causando o problema e tentar revertê-lo o mais rapidamente possível 

Alguns sinais de baixa imunidade são:

  • Cansaço frequente;
  • Gripes e resfriados e demais infecções frequentes;
  •  Queda de cabelo;
  • Perda ou ganho de peso não intencional;
  •  Unhas enfraquecidas;
  • Alterações no sistema digestivo com dor de barriga frequente;
  • Demora na cicatrização de feridas;
  •  Aumento dos níveis de estresse e dificuldade de concentração.

Como fortalecer a imunidade 

Como citado, o sistema imunológico é responsável pela proteção do nosso corpo e seu funcionamento adequado está diretamente relacionado com a manutenção da saúde.

Embora não exista uma fórmula mágica, a adoção de alguns hábitos específicos pode aumentar a imunidade. Dentre as principais medidas que podem ser adotadas para fortalecer o sistema imunológico estão:

  •         Praticar atividades físicas;
  •         Alimentar-se de modo saudável;
  •         Dormir bem – cerca de 8 horas por dia;
  •         Manter bons níveis de hidratação – consumindo 2 litros de água diariamente.
  •         Evitar situações estressantes.

Além de todas essas ações o uso de suplementos também deve ser considerado por médicos e nutricionistas como alternativa para fortalecimento da imunidade. Nesse caso Imunovalle é uma ótima opção.

Formulado tendo como base a beta-glucana (wellmune) associado a vitaminas e minerais específicos como vitamina C e Zinco que auxiliam no funcionamento do sistema imune e com duas apresentações diferentes é uma excelente alternativa para adultos e crianças que com resposta imune deficiente.

Para conhecer Imunovalle e apresentá-lo ao seu médico ou nutricionista de confiança basta clicar aqui.

Quando o assunto é cuidar da saúde como um todo a Dovalle é referência.