Articulações Sinoviais: o que são e para que servem

articulações sinoviais

Você já ouviu falar em articulações sinoviais? 

O esqueleto humano é responsável pelo suporte estrutural, proteção de órgãos internos e facilitador da locomoção. No entanto, para que a locomoção ocorra, é importante que os ossos sejam capazes de se articular entre si e isso só é possível graças a essas articulações, que permitem estabilidade e potência de movimentos.

As articulações do corpo humano são definidas como o ponto onde dois ossos se encontram de modo adjacente. Existem diferentes tipos e são classificadas com base na amplitude de movimento realizado e o tipo de tecido que mantém os ossos unidos.

Continue com a leitura para saber mais sobre o assunto! 

Diferentes tipos de articulação

Antes de mais nada, é importante entender quais os tipos de articulações existem no corpo humano. Dá uma olhada! 

Articulações fibrosas

Também chamadas de sinartroses ou articulações imóveis, elas possuem uma pequena separação com tecido conjuntivo fibroso entre os ossos visando a absorção de impacto. Essa variação de articulação se faz presente em ossos do crânio e entre os ossos da tíbia e fíbula.

Articulações cartilaginosas 

Também conhecidas como anfiartrose ou articulações semimóveis, como o nome já sugere, ela apresenta um tecido cartilaginoso entre os ossos, o que permite pequenos movimentos sem atritos. Esse tipo de articulação pode ser encontrado em ossos do quadril e entre as vértebras.

Articulações sinoviais

Também conhecidas como articulações móveis, têm como principal característica o livre deslizamento entre as superfícies de ossos em virtude da presença de um líquido que recebe o nome de sinovial.

Diferente das outras articulações citadas, as articulações sinoviais se unem por meio de uma cápsula articular onde o líquido sinovial se faz presente, permitindo grande amplitude de movimento.

As articulações sinoviais são classificadas de acordo com a capacidade de movimentação que possuem. Caso elas se movam dentro de um eixo de rotação, elas são chamadas de uniaxiais; quando possuem dois eixos, são biaxiais e, se possuir três eixos, a nomenclatura muda para poliaxiais.

Esse tipo de articulação está presente entre o osso esterno e as clavículas, ombros, cotovelos, quadris, joelho e entre a tíbia e a fíbula (ossos abaixo do joelho). 

Envelhecimento das articulações 

A exemplo de outros tecidos corporais, como é o caso da pele, as articulações também envelhecem com o tempo.

De modo particular, as articulações sinoviais começam a envelhecer a partir dos 35 anos de idade.

A partir desse momento, alterações nas cartilagens e diminuição de líquido sinovial podem contribuir para disfunções cartilaginosas e instalação de processos de calcificação que podem levar à diminuição da flexibilidade e função locomotora.

Assim, cuidar dessas articulações de forma ininterrupta é essencial para quem busca liberdade e qualidade de vida.

Principais condições que acometem a saúde das articulações sinoviais 

Assim como ocorre nos outros tipos de articulação, as articulações sinoviais também estão sujeitas a falhas e problemas, na maioria das vezes por conta de doenças ou lesões.

Comumente os traumas como quedas ou impactos provenientes de acidentes, são as principais condições que podem afetar a saúde das articulações sinoviais.

Quando não afetadas por condições externas, esse tipo de articulação pode ser acometido por patologias específicas como: osteoartrite, gota ou doenças de cunho autoimune, como é o caso da osteoartrite ou da espondilite anquilosante, por exemplo.  

Mantendo a saúde das articulações sinoviais

Manter a saúde das articulações sinoviais é uma tarefa mais simples do que se pode imaginar. Através da adoção de ações a seguir, é possível garantir a saúde delas por muitos anos. 

Manutenção do peso 

O excesso de peso causa pressões extras às articulações, principalmente nas dos membros inferiores que podem sofrer maior impacto e perder suas funcionalidades de forma acelerada. Assim, se manter dentro de um peso saudável é importante para a saúde e funcionamento das articulações sinoviais.

Alimentação saudável 

Por meio da alimentação, é possível entrar ou sair de quadros inflamatórios sistêmicos crônicos. Logo, se alimentar de maneira saudável, visando alimentos de baixo teor inflamatório, contribuem para a saúde do líquido sinovial que envolve essas articulações, evitando processos inflamatórios e, assim, mantendo-as saudáveis e funcionais.

Prática de atividades físicas 

Embora as articulações forneçam estabilidade ao organismo, manter musculatura ao redor fortalecida é de grande importância. Atividades de força e de amplitude como é o caso da musculação, pilates e ioga promovem saúde e longevidade das articulações sinoviais.

Uso de nutracêuticos 

E, por último, mas não menos importante, temos o uso de nutracêuticos. Embora manter o peso, se alimentar de maneira saudável e praticar atividades físicas sejam ações importantes para manutenção e saúde das articulações sinoviais, é preciso ter em mente que elas passam por um processo natural de envelhecimento.

Assim, fazer uso de suplementação, é uma ótima opção para mantê-las saudáveis e funcionais por mais tempo. Uma ótima opção para a saúde das articulações sinoviais é o Algi Articular.

Elaborado a partir de peptídeos bioativos de colágenos associados com vitaminas A, C, D, E e minerais como zinco e manganês, se você sente dores ou desconfortos articulares, converse com seu médico de confiança sobre o uso de Algi Articular.

E já que estamos falando de saúde articular, que tal conhecer de maneira mais profunda sobre a artrite, uma doença que atinge as articulações? Para isso basta clicar aqui!

Serotonina e melatonina: o que são e como auxiliam na saúde física e psicológica

Mulher sorrindo de frente para o espelho, indicativo de níveis altos de serotonina e melatonina no organismo

Talvez você já tenha ouvido falar da serotonina e melatonina e sabe que elas são fundamentais em nosso organismo. Mas será que você entende como elas agem no corpo humano e para que, de fato, servem? 

Nunca antes na história se prezou tanto por saúde mental, psicológica e/ou emocional. Após um levantamento da OMS em 2019, descobriu-se que o Brasil é o país mais ansioso do mundo. 

E é justamente nessa questão que a serotonina e melatonina surgem como uma grande solução para tais problemas! Por isso, no artigo de hoje, vamos te mostrar o que são essas duas substâncias, quais seus impactos na saúde e como manter níveis equilibrados delas no organismo. 

Serotonina e melatonina: o que são e quais suas funções? 

Serotonina 

A substância é um neurotransmissor que atua diretamente no cérebro, estabelecendo melhor comunicação entre neurônios. É produzida a partir da presença de alimentos ricos em triptofano, um aminoácido obtido por meio da alimentação.

A serotonina atua de maneira a regular o apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, o sono e, como consequência, o humor. Quando se encontra em baixos níveis de concentração, pode causar ansiedade, mau humor, dificuldades para dormir e até depressão.

Melatonina 

Já a melatonina é um hormônio naturalmente produzido pelo organismo. Sua principal função é a regulação do ciclo circadiano, promovendo o bom funcionamento do organismo, além de poderosa ação antioxidante.

O hormônio é produzido pela glândula pineal somente na ausência de estímulos luminosos, ou seja, a produção de melatonina só ocorre à noite e no escuro, o que induz uma boa noite de sono. Estímulos visuais (como claridade) ou sonoros (como barulhos na rua) atrapalham a produção e diminuem os níveis de melatonina.

Com o passar dos anos, a melatonina tem sua produção naturalmente diminuída. É por isso que adultos e idosos apresentam mais distúrbios relacionados ao sono.

Serotonina e melatonina estão relacionadas à uma vida saudável 

É praticamente impossível falar de serotonina e melatonina sem citar uma vida saudável com boas escolhas.

Tanto o neurotransmissor quanto o hormônio possuem papel importante para qualidade de vida, no entanto, seus bons níveis no organismo só podem ser alcançados por meio de uma rotina saudável.

O que muita gente não sabe, é que é possível estimular a produção de serotonina e melatonina por meio de simples ações que podem ser incorporadas no dia a dia como vamos mostrar logo a seguir.

Estimulando a produção de serotonina 

A produção de serotonina pode ser facilmente estimulada por meio das seguintes ações:

  • Prática de atividades físicas;
  • Exposição ao sol;
  • Ingestão de alimentos ricos em triptofano.

Vamos falar um pouco sobre cada uma dessas ações e sua ação sobre a produção da serotonina.

Prática de atividades físicas 

A prática de atividades físicas favorece o aumento da produção de neurotransmissores como a endorfina, por exemplo e facilitam a captação e utilização do triptofano, que é um aminoácido que participa ativamente da produção de serotonina

Assim, uma rotina regular de exercícios resulta na produção e manutenção de níveis de serotonina, em bem-estar, controle de estresse e qualidade de vida e ainda facilitam a produção de melatonina como mostraremos a seguir. 

Exposição ao sol 

Estudos demonstram que a exposição solar também aumenta os níveis de serotonina. Isso ocorre porque a exposição solar aumenta os níveis de vitamina D, o que causa um impacto no metabolismo do triptofano e diretamente age sobre a produção e liberação de serotonina.

A recomendação é que uma exposição solar entre 10 e 15 minutos diários já é o suficiente para manter níveis de suficiência do neurotransmissor.

Ingestão de alimentos ricos em triptofano 

E, por fim, temos a ingestão de alimentos ricos em triptofano que age como um combustível de produção de serotonina.

Logo deve-se fazer presente em sua rotina alimentar os seguintes alimentos: queijos, frango, ovos, peixes, banana, abacate, abacaxi, brócolis, couve-flor, beterraba, nozes, castanhas, amendoim, soja e derivados, spirulina e chocolate com pelo menos 70% de cacau em sua composição.

Aumentando a produção de melatonina 

Tão importante quanto estimular a produção de serotonina é aumentar a fabricação de melatonina. As melhores ações para esse acréscimo são:

  • Usar equipamentos eletrônicos com luz noturna;
  • Evitar fontes luminosas após as 18h;
  • Ingerir alimentos ricos.

Vamos falar sobre cada uma dessas ações a seguir! 

Usar equipamento eletrônicos com luz noturna 

Existem hoje uma gama de equipamentos eletrônicos como celulares, televisores e notebooks com a opção luz noturna. Esse modo altera a emissão de luz garantindo maior conforto ocular e melhor adaptação da retina, o que ajuda na produção linear do hormônio.

Evitar fontes luminosas após as 18h 

Embora seja uma tarefa difícil, evitar a exposição às fontes luminosas extremas após as 18h ajuda positivamente na produção de melatonina. O ideal é evitar acender luzes muito fortes e optar por abajures ou fontes menos luminosas no ambiente caseiro.

Ingerir alimentos ricos 

A exemplo do que ocorre com a serotonina, existem alguns alimentos que podem colaborar para a produção de melatonina. Os melhores são: Kiwi, cereja, própolis, abacate, cereja, tomate, abacaxi e uva.

Assim optar por esses alimentos para compor o jantar e ceia é uma ótima forma de conseguir manter a produção e consequente liberação do hormônio.

Correlação entre serotonina e melatonina 

Estudos sugerem que serotonina e melatonina possuem uma correlação íntima no organismo. Periódicos mostram que a produção e síntese de serotonina deixam a mente mais relaxada estimulando assim a produção e secreção de melatonina, o que ajuda o corpo a ter uma noite de sono reparador e mais profundo, o que resulta em melhora da saúde física e psicológica.

Suplementação é opção saudável e viável 

Quando as técnicas naturais que mostramos aqui não são suficientes para aumentar os níveis de serotonina e estimular a produção de melatonina, é comum que médicos e nutricionistas indiquem o uso de suplementos, visando principalmente o aumento dos níveis de triptofano no organismo.

Uma ótima alternativa para isso é fazer uso de Conexium, que é um suplemento cuja base principal é o L-Triptofano associado a Tiamina, Riboflavina, Niacina, Ácido Pantotênico, Vitamina B6, Ácido Fólico, Vitamina B12, Vitamina C, Vitamina D, Magnésio, Manganês, Selênio e Zinco

Livre de açúcar, glúten e lactose, Conexium é um adjuvante nos casos de baixos níveis de serotonina e melatonina. 

Caso você apresente oscilações de humor ou dificuldades para dormir, peça a opinião de seu médico e nutricionista sobre a inclusão de Conexium em sua rotina.

Quando o assunto é sua saúde mental saiba que você pode contar com a Dovalle!

Conheça mais sobre o Conexium aqui → 

Anemia em crianças: conheça a doença e aprenda a preveni-la

anemia em crianças

Em países subdesenvolvidos como é o caso do Brasil a prevalência de anemia em crianças até os quatro anos de idade causada pela deficiência de ferro ultrapassa a faixa dos 50% de incidência. Durante o período de amamentação exclusiva o aleitamento materno é capaz de suprir as necessidades desse nutriente. Entretanto, a deficiência normalmente se inicia quando a introdução alimentar começa a ser colocada em prática. 

Diferente de muitas outras condições de saúde que afetam as crianças, a anemia não é uma doença silenciosa. Seus sintomas são clássicos e podem ser facilmente notado pelos pais. 

No artigo de hoje vamos falar sobre os diversos aspectos que envolvem a anemia em crianças e, o mais importante, como prevenir e reverter. Não deixe de conferir. 

O que é a anemia, afinal? 

A anemia é a condição na qual ocorre redução dos níveis de hemoglobina no sangue. 

A hemoglobina é a proteína responsável pela coloração vermelha do sangue e por carregar oxigênio aos tecidos, função que automaticamente promove geração de energia para atividades diárias. 

Muitas são as causas da anemia, podendo ter origem congênita, ou seja, herdada durante a gravidez, mas a principal causa da anemia em crianças é a carencial que se dá por falta de ferro. 

Como se sabe o ferro é um mineral essencial para crianças, adultos e idosos e é constituinte importante na composição da hemoglobina e células sanguíneas, como as hemácias. 

As principais causas da anemia em crianças 

Como citado anteriormente, crianças dos países subdesenvolvidos são mais afetadas pela anemia. Até países desenvolvidos apresentam níveis crescentes de prevalência da doença o que a torna um grave problema de saúde pública.

No Brasil, estudos regionais apontam uma prevalência de anemia em crianças de diferentes faixas etárias variando entre 35% a 68%. 

Muitos se perguntam: Por que as crianças são as mais afetadas por essa doença? Quais suas causas? 

As crianças são as mais afetadas pela anemia por conta do rápido crescimento e desenvolvimento do organismo que requer uma demanda elevada de ferro. Aliada a essas altas demandas, muitas vezes a ingestão do mineral é inadequada. 

Além disso é muito comum crianças sofrerem perdas gastrintestinais devido às alergias alimentares, parasitoses intestinais e perdas diarreicas. 

Sintomas clássicos 

A anemia não é uma doença silenciosa e assim que os níveis de ferro e hemoglobina diminuem os sintomas são facilmente perceptíveis. 

Os principais sinais de anemia em crianças são:

  • Palidez;
  • Unhas fracas e quebradiças;
  • Indisposição;
  • Fadiga e fraqueza;
  • Mal-estar;
  • Tontura;
  • Confusão mental;
  • Reclamações de dores de cabeça;
  • Ritmo cardíaco acelerado;
  • Pressão baixa. 

Como saber se a criança tem anemia

 Embora os sintomas tragam fortes indícios da anemia em crianças, a melhor forma de se diagnosticar a doença se dá por meio da realização de exames laboratoriais. Os principais indicadores da presença de anemia são os baixos índices de ferro, ferritina e hemoglobina. 

Apenas com o resultado dos exames na mão é possível buscar tratamento ou prevenção dessa condição de saúde. 

Alimentação tem grande peso na prevenção 

Uma das melhores maneiras de se prevenir a anemia se dá por meio da alimentação. Ofertar às crianças alimentos ricos em ferro é uma ótima forma de prevenir o surgimento da doença. 

As melhores opções são: 

  • Carnes, principalmente as vermelhas junto com vísceras (como fígado); 
  • Feijão;
  • Lentilha;
  • Gema de ovo;
  • Verduras e hortaliças verde-escuras, como couve, brócolis, agrião, espinafre, rúcula e escarola. 

Outra dica importante é durante o consumo de ferro evitar a oferta de alimentos lácteos como leite, iogurte e queijos, por exemplo. Pois o cálcio presente neles interfere negativamente na absorção do ferro. 

Uma forma de potencializar a absorção do ferro pelas crianças é ofertar alimentos ricos em ferro com fontes de vitamina C. Como sucos naturais de limão, laranja, acerola, abacaxi ou maracujá. 

Isso pelo fato da vitamina C potencializar a absorção de ferro. Entretanto, quando a anemia está instalada, é preciso que haja suplementação de ferro e isso só pode ser orientado por um pediatra ou nutricionista pediátrico. 

Suplementação com Ferro é o tratamento 

Como citado, uma dieta rica em ferro é muito importante para prevenção da anemia em crianças, mas quando a anemia é diagnosticada, se faz necessário a suplementação com ferro oral. 

Como cada organismo é único, as doses também são únicas, mas tendem a variar entre 1 e 5mg/kg/dia em um período que pode variar entre 60 e 90 dias de acordo com o profissional da saúde responsável. 

A Dovalle ajuda na prevenção da anemia em crianças 

Nós da Dovalle sempre pensamos no bem-estar de toda a sua família e podemos ajudar na prevenção da anemia em crianças com o nosso suplemento Rubralong. 

Rubralong é um nutracêutico à base de ferro, com alta absorção associado a 8 micronutrientes fundamentais ao organismo. Com duas formas de apresentação – comprimidos e solução oral sabor morango é a melhor maneira de promover a reposição de ferro em crianças. 

Além disso, ambas as apresentações são isentas de glúten, açúcar ou lactose. 

Quando o assunto é a saúde da sua família, conte com o que há de melhor, conte com a Dovalle. 

 

Intestino preguiçoso: saiba o que é e como tratar o problema

intestino preguiçoso, o que é e como tratar

O intestino preguiçoso é um problema de saúde que pode se manifestar de diferentes formas de pessoa para pessoa. As mulheres são as que mais sofrem com essa condição, conforme mostra uma pesquisa realizada pela Fundação Brasileira de Gastroenterologia (FBG).

De acordo com o estudo, duas em cada três entrevistadas disseram ter problemas intestinais. Esse número representa 67% das respondentes, um índice bem alto. Ainda segundo a pesquisa, isso resulta em outros incômodos, como a interferência na vida sexual.

Embora seja uma condição frequente, é possível tratá-la de forma fácil e eficaz. Nós podemos te ajudar nisso, basta continuar com a leitura para descobrir! 

Afinal, o que é um intestino preguiçoso? 

Intestino preguiçoso é o termo utilizado para se referir a condição de intestino preso ou prisão de ventre. De forma resumida, a pessoa que tem o intestino preguiçoso costuma apresentar dificuldades para fazer algumas de suas necessidades fisiológicas.

Vale ressaltar, no entanto, que a quantidade de vezes em que se vai ao banheiro varia muito de acordo com a idade e os hábitos de cada pessoa. Geralmente, o ideal é que se tenha um padrão. Se você evacua duas ou três vezes por dia, por exemplo, esse é o seu parâmetro.

Existe também um sistema de classificação das fezes, chamado de Escala de Bristol, utilizada pelos médicos para avaliar a forma e a consistência do bolo fecal. 

De acordo com essa classificação, as fezes podem ser enquadradas em sete categorias:

  1. Caroços duros e separados, difíceis de passar;
  2. Formato de uma salsicha, porém com grânulos;
  3. Formato de uma salsicha, com fissuras na superfície;
  4. Formato de uma salsicha, suave e macio;
  5. Formato de bolhas suaves e com bordas bem nítidas;
  6. Peças mais fofas e com as bordas em pedaços;
  7. Fezes totalmente líquidas, sem partes sólidas.

Nessa escala, os formatos 3 e 4 são considerados ótimos. As classificações 5, 6 e 7 indicam um quadro de diarréia. Já os números 1 e 2 indicam a constipação.

Exames de fezes, hemogramas e colonoscopia podem ser solicitados pelo médico para avaliar o quadro e propor o melhor tratamento para cada paciente.

Quais são os sintomas do intestino preguiçoso?

Os sintomas do intestino preguiçoso são bem característicos e podem aparecer isoladamente ou em conjunto. Os principais deles são:

  • Sensação de evacuação incompleta – pessoa vai ao banheiro, mas sente que não evacuou completamente;
  • Necessidade de esforço durante a evacuação;
  • Vômitos sem causa aparente;
  • Inchaço abdominal;
  • Fezes endurecidas;
  • Cólicas; e
  • Gases.

Quais são as principais causas da constipação?

O intestino preguiçoso pode apresentar uma série de causas. Separamos aquelas que são consideradas as principais para o desenvolvimento desse quadro. 

Lembre-se, no entanto, que cada corpo é um corpo, por isso as causas podem ser as mais diversas e específicas. Consultar um médico é sempre a melhor opção para diagnosticar qualquer problema com o seu intestino e tratá-lo de forma correta.

Alterações do organismo

Muitas vezes, as alterações no organismo podem desencadear o mau funcionamento intestinal. 

Dentre as principais mudanças de funcionamento que contribuem para a instalação desse quadro estão o hipotireoidismo e o hipertireoidismo, que alteram o funcionamento hormonal do corpo como um todo.

Presença de alguma patologia

A presença de patologias também é algo que está intimamente ligada com a síndrome do intestino preguiçoso. 

Síndrome do intestino irritável, síndrome do cólon irritável, gastrite e hemorróidas estão entre as doenças que contribuem para o surgimento do problema.

Baixa ingestão de fibras

Aqui temos uma causa clássica! As fibras provenientes da alimentação são responsáveis pela formação do bolo fecal e pela absorção de água por esse bolo.

Uma pessoa que consome poucas fibras pode ter um bolo fecal pequeno e ressecado, o que dificulta sua movimentação pelo interior do intestino delgado, possibilitando a ocorrência da condição. 

Baixa ingestão de líquidos

Outro problema comum entre muitas pessoas é a baixa ingestão de líquidos. A água é tão importante para o funcionamento do intestino quanto o consumo de fibras. 

De nada adianta ingerir fibras e não tomar água. Ao agir dessa maneira, seu intestino continuará preguiçoso e pouco funcional, o que pode agravar ainda mais a situação em que você se encontra. 

Sedentarismo

A última causa clássica é o sedentarismo. Praticar atividades físicas favorece o movimento e funcionamento do intestino, também chamado de peristaltismo, o que ajuda no processo de evacuação.

Logo, as pessoas  que são sedentárias tendem a ter mais chances de apresentar intestino preguiçoso do que aquelas que realizam atividades físicas no seu dia a dia.

Como tratar o problema?

Agora você já sabe quais os sintomas do intestino preguiçoso e como a condição pode surgir. É chegado o momento de mostrarmos como resolver o problema. Veja algumas dicas!

Mude a sua dieta

Para quem sofre com intestino preguiçoso, recomenda-se uma dieta laxativa. É muito importante inserir frutas, verduras e legumes na alimentação. A laranja, a ameixa, o mamão e as folhas verdes, em geral, são excelentes opções.

Também é recomendado o consumo de cereais integrais, como o arroz, a aveia, as sementes de linhaça, entre outros. Isso porque as fibras presentes nesses alimentos podem ajudar a soltar o intestino.

Aumente o consumo hídrico

Embora se diga que é necessário beber dois litros de água por dia, esse número varia muito de pessoa para pessoa, levando em consideração fatores como o peso de cada um. Um indivíduo que pesa 100 kg, por exemplo, precisa ingerir mais líquidos do que alguém que pesa 50 kg.

É importante conversar com o seu médico ou nutricionista e descobrir qual é a quantidade de líquido que você precisa consumir por dia, para se manter bem hidratado. Vale lembrar que você não precisa beber apenas água! Os sucos e chás são excelentes opções para inserir na dieta durante o dia.

Pratique atividades físicas

Caso você seja sedentário, é importante que comece a praticar atividades físicas diariamente. Se você não gosta de frequentar uma academia, por exemplo, pode procurar outras opções de exercício, como uma caminhada em parque ou praça próximo à sua casa.

Aqui também vale fazer pequenas mudanças na rotina, como deixar o carro na garagem e fazer trajetos curtos a pé ou de bicicleta, bem como parar de usar o elevador e subir pelas escadas do seu prédio, por exemplo.

Se em um curto período de tempo o intestino continuar preguiçoso, o ideal é buscar ajuda médica profissional para uma pesquisa detalhada de saúde. O profissional poderá solicitar a realização de exames de sangue e de imagem, por exemplo.

Vale a pena usar suplementos para tratar o intestino preso?

Em algumas situações, médicos e nutricionistas podem prescrever suplementos à base de fibras ou probióticos para seus pacientes com o intuito de promover maior saúde intestinal.

Dois suplementos são bastante úteis para tratar um intestino que teima em não funcionar. São eles: Floralac e Suavlax.

Floralac é um suplemento vitamínico que contém fibras prebióticas a base de lactulose e frutooligossacarídeos. Ele tem como função promover o equilíbrio da flora intestinal, normalizando o trânsito do bolo fecal e aliviando os sintomas de inchaço e distensões abdominais.

Já o Suavlax, contém fibras e frutooligossacarídeos em sua composição, ajudando na formação e consequentemente eliminação do bolo fecal.

Ambos os suplementos são ótimas escolhas para quem sofre com o intestino preguiçoso.

Outro fator que pode contribuir para o surgimento do intestino preguiçoso é a ansiedade e o excesso de preocupação. Para saber como controlar a ansiedade e melhorar sua qualidade de vida, é só clicar aqui e ler mais um conteúdo especial produzido por nossa equipe.

E não se esqueça: intestino preguiçoso é uma condição chata, mas não impossível de tratar. Preste atenção nas nossas dicas e todo o problema será solucionado rapidamente! 

Saúde da mulher: exercícios, alimentos e suplementos para o bem-estar feminino

saúde da mulher

Manter uma rotina que alie exercícios e alimentação balanceada é importante para todas as pessoas, independentemente do gênero. Entretanto, existem alguns ingredientes e nutrientes que trazem grande vantagens para as mulheres. 

A prática de determinados exercícios, consumo de alguns alimentos específicos e uso de suplementos característicos são fundamentais para a saúde e bem-estar feminino. Confira as principais dicas a seguir!

Os principais exercícios para o bem-estar feminino 

Muitas mulheres comentam que depois da menopausa e durante a TPM é muito difícil manter ou encontrar o bem-estar. Felizmente, essa é uma realidade que pode ser melhorada: é possível amenizar os efeitos desses momentos hormonais por meio de atividades físicas. 

Exercícios de impacto, como corridas ou trotes, assim como exercícios de força, como musculação e pilates, por exemplo, podem ser ótimas formas de encontrar conforto. 

Os exercícios de impacto ajudam na fixação do cálcio nos ossos, enquanto os exercícios de força ajudam a manter a massa muscular, afinal, é muito comum que as mulheres sofram com osteoporose e perda/dificuldade de ganho de musculatura.

Alimentos importantes para a saúde das mulheres

Embora uma alimentação saudável e equilibrada seja fundamental para a saúde e bem-estar feminino, alguns alimentos são considerados essenciais para o organismo das mulheres. Listamos os principais.

Soja

A soja é importante para o bem-estar feminino por ser rica em isoflavonas, principalmente durante o período da menopausa, por ajudar a reduzir os sintomas clássicos e indesejados desse momento, como as famosas ondas de calor.

Além disso, a soja também reduz sintomas da TPM e é capaz de combater o câncer de mama, osteoporose, Alzheimer e até mesmo diabetes. 30 g diárias de soja é considerada uma dose mais do que suficiente desse alimento.

Chocolate amargo

O chocolate com alta concentração de cacau (acima dos 70%) é um alimento coringa para a saúde feminina. Isso porque ele é capaz de diminuir o risco de doenças cardiovasculares e prevenir diferentes tipos de cancros. Além disso, esse alimento também é capaz de controlar a ansiedade – sentimento tão comum do público feminino. 

Mas tome cuidado, o chocolate ainda é bastante calórico: dois quadradinhos diários são suficientes para se obter todos os benefícios.

Semente de linhaça

A semente de linhaça é uma ótima aliada da saúde e bem-estar feminino. Rica em fibras e ômega 3, é capaz de equilibrar os níveis de colesterol, amenizar as ondas de calor, favorecer a perda de peso e ainda potencializar o funcionamento do intestino.

1 colher de semente de linhaça diariamente é o suficiente para conseguir os benefícios.

Vegetais verde-escuros

Vegetais verde-escuros como rúcula, espinafre, couve e agrião, por exemplo, possuem altas doses de vitaminas A, C, K, além de vitaminas do complexo B, como é o caso do ácido fólico.

Toda essa união de vitaminas e minerais age por todo o corpo feminino, trazendo melhorias na pele, unhas, músculos, ossos e cabelos. Com uma porção de vegetais escuros por dia, a saúde feminina já é potencializada.

Melhores suplementos para o público feminino 

Pensando na saúde e bem-estar feminino como um todo, alguns suplementos são considerados fundamentais para a mulherada. Os principais são:

Cálcio 

Por conta dos efeitos da menopausa o uso de suplementos à base de cálcio é fundamental tanto para a saúde óssea, quanto para a saúde muscular das mulheres.

Vitamina D

Como se sabe, a vitamina D é responsável pela fixação de cálcio nos ossos, visando prevenir assim patologias como a osteoporose. Por isso, se houver necessidade de suplementação do mineral, é importante que a vitamina também seja suplementada.

Colágeno hidrolisado 

O colágeno hidrolisado é fundamental para a saúde e bem-estar feminino, tanto de maneira interna, quanto externa. Esse suplemento é capaz de aumentar a saúde de tecidos lisos, como é o caso do intestino, como tecidos exteriores, como unhas, pele e cabelo, por exemplo.

Magnésio 

Conhecido como calmante natural, o magnésio é um aliado das mulheres que sofrem com alterações de humor e insônia provenientes da TPM e da menopausa.

Polivitamínicos 

Como se sabe a maioria das mulheres têm a vida corrida, e muitas vezes não conseguem adotar uma alimentação equilibrada, se fazendo de grande importância o uso de suplementos polivitamínicos como forma de cobrir eventuais carências não supridas somente pela ingestão alimentar.

É importante ressaltar que cada organismo é único e que é necessário avaliar cada caso antes de fazer uso de qualquer tipo de suplemento.

Com isso em mente, o mais importante é saber que quando o assunto é saúde e bem-estar feminino, você pode contar com a Dovalle.

Com uma linha repleta de suplementos nutracêuticos, a Dovalle é referência em qualidade e atendimento, tanto para pacientes, quanto para profissionais da saúde.

Para conhecer a nossa linha de suplementos e oferecer saúde para as mulheres, basta clicar aqui

Conheça os principais nutrientes para manter um coração saudável

coração saudável

Quando se fala em saúde cardiovascular, existe uma série de ações que podem e devem ser tomadas. 

Entre as mais conhecidas estão a alimentação saudável, prática de atividades físicas e controle do estresse. No entanto, algo que pouca gente sabe é que o uso de suplementos também pode auxiliar para manter um coração saudável.

Hoje vamos te mostrar aqueles que são os principais suplementos capazes de fortalecer e manter o coração saudável. Para descobrir quais são eles, basta continuar a leitura desse artigo.

1. Suplementos à base de cálcio são ótimos para um coração saudável

Embora o cálcio seja amplamente relacionado à saúde óssea, é importante destacar que o mineral é responsável pelo processo de contração muscular. Sem ele, nenhum músculo é capaz de sofrer contração e relaxamento e, como se sabe, o coração é um músculo.

Dessa forma, usar suplementos à base de cálcio, é uma ótima forma de manter o coração saudável.

2. Suplementos de magnésio

O magnésio é conhecido como um calmante natural. Suplementos à base do mineral, causando maior sensação de tranquilidade e tem indiretamente um efeito hipotensor, ou seja, ajuda a diminuir a pressão arterial.

Isso promove maior relaxamento, melhora do funcionamento do coração e pode, inclusive, combater e prevenir arritmias cardíacas.

3. Resveratrol

O resveratrol é uma substância amplamente conhecida por conta de sua alta capacidade antioxidante e anti-inflamatória. Presente em sucos de uvas, vinhos e suplementos alimentares, ele é famoso por conta de seus benefícios ao coração.

O resveratrol age de modo a oxidar placas de gordura do interior de vasos sanguíneos, o que naturalmente melhora o fluxo do sangue, prevenindo assim episódios de hipertensão arterial, AVC e até mesmo infartos.

4. Ômega 3

O ômega 3 é outro exemplo de suplemento que age em prol da saúde cardiovascular. Suplementos à base desse tipo de gordura, são altamente anti-inflamatórios e antioxidantes, sendo capazes de prevenir o acúmulo de placas de gordura no interior de vasos sanguíneos e com isso manter o coração saudável.

5. Ácido fólico

O ácido fólico faz parte das vitaminas do complexo e é essencial na formação de uma coenzima capaz de reduzir os níveis de homocisteína, um aminoácido que, quando em excesso, afeta o sistema cardiovascular por completo de maneira negativa, impedindo inclusive a reparação de células do coração e de vasos sanguíneos.

Altos níveis de homocisteína contribuem para o endurecimento de vasos sanguíneos, o que eleva a pressão arterial e traz mais esforço ao coração. Sendo assim, para manter  o coração saudável, é necessário que os níveis de ácido fólico estejam sempre dentro dos níveis de normalidade.

6. Colágeno

Suplementos à base de colágeno são importantes para a saúde do coração, principalmente para pessoas que já sofreram infartos. Isso porque a substância é capaz de auxiliar na regeneração de células cardíacas que passaram por lesões específicas. O consumo regular de suplementos à base de colágeno é uma das principais formas de manter o coração saudável.

7. Vitamina C

Embora seja conhecida por sua poderosa ação antioxidante e anti-inflamatória, além de sua ação no sistema imune, a vitamina C é uma substância fundamental para a síntese de colágeno. A presença dessa vitamina auxilia na síntese do colágeno, que como mostrado anteriormente, é capaz de auxiliar na regeneração de lesões cardíacas.

8. Probióticos

E por fim, temos os probióticos, afinal de nada adianta fazer uso de suplementos visando um coração saudável se o intestino não estiver funcionando adequadamente.

Quanto mais saudável um intestino estiver, maior será sua capacidade de absorver nutrientes e, com isso, mais saudável o coração será.

Agora que você já sabe quais são os principais suplementos para manter o coração saudável que tal aprender mais sobre suplementação e suplementos nutracêuticos? Para isso, basta clicar aqui e acessar nosso blog onde você encontrará uma série de artigos embasados cientificamente capazes de orientar todas as suas condutas de atendimento.

 

Você conhece os 4 principais tipos de colágenos?

tipos de colágeno

Saiba quais são os diferentes tipos de colágeno, o que são e como encontrá-los por meio da suplementação

Muito se fala em colágeno, mas poucos realmente sabem o que é essa substância.  Pensando nisso, hoje vamos explicar o que é, além de te mostrar quais são os tipos de colágeno que existem e quais são suas principais fontes para absorção.

Se você está em busca de ampliar seu conhecimento, então veio ao lugar certo. Não deixe de conferir!

Afinal, o que é colágeno?

O colágeno na verdade, nada mais é do que uma proteína. Trata-se na verdade, da proteína mais abundante no organismo humano, responsável por promover estrutura, firmeza e elasticidade, é produzido de maneira natural pelo corpo, mas pode ser encontrado em alimentos e suplementos.

Esse tipo de proteína é de grande importância para a saúde da matriz de nossas células, favorecendo a saúde e funcionalidade de tecidos corporais.

Diferentes tipos de colágeno

Embora pouca gente saiba, existem atualmente 28 tipos de colágeno, e essa proteína representa, em média, 35% do total das proteínas do corpo humano.

Embora existam muitos tipos dessa substância, apenas quatro são realmente conhecidas como mostraremos agora.

Colágeno tipo I

Esse é um dos tipos de colágenos mais conhecidos e também é o mais abundante em nosso organismo. Encontrado em ossos, dentes, tendões e pele, se apresenta sob uma forma de fibras grossas, sendo o tipo mais resistente a tensões de diferentes naturezas.

Colágeno tipo II

O colágeno tipo II é encontrado principalmente nas cartilagens e se associa a outras células da matriz extracelular. Por ser hidrofílico, ou seja, ter capacidade de se ligar com a água, ele funciona basicamente como uma esponja, cedendo água quando é pressionado e voltando à sua forma original quando a pressão diminui.

De maneira popular, podemos dizer que o colágeno do tipo II age como uma mola, o que permite suportar pesos e ainda gerar impulsos, como é o caso da articulação dos joelhos, por exemplo.

Colágeno tipo III

Esse tipo de colágeno é muito encontrado em vasos sanguíneos de calibres mais grossos, como é o caso das artérias. Além disso, o colágeno do tipo III está presente em musculaturas lisas, como é o caso do intestino e do útero, e em órgãos específicos, como rins, baço e fígado.

As fibras desse tipo específico de colágeno apresentam elasticidade para servir como um amortecedor natural visando sustentação e proteção aos nossos órgãos internos! 

É justamente por esse motivo que o colágeno tipo III é facilmente encontrado nos tecidos citados acima.

Colágeno tipo IV

O colágeno do tipo IV é formado por moléculas que não se associam em fibras, mas se prendem umas às outras por meio de suas extremidades, formando assim uma rede semelhante a uma tela de arame ou uma teia de aranha. 

Ao se associar dessa maneira, promovem força e saúde à matriz de basicamente todas as células do nosso corpo.

Principais fontes de colágeno

Depois de falarmos sobres os diferentes tipos de colágeno, é hora de mostrar quais são suas principais fontes.

O colágeno é encontrado principalmente em tecidos conjuntivos de alimentos de origem animal, tais como pele bovina, suína, de peixes e frangos, além de caldo de ossos feito a partir desses animais.

Alimentos ricos em proteínas e aminoácidos podem ajudar

Buscar alimentos que sejam ricos em proteínas e aminoácidos também é importante, pois durante o processo de digestão desses alimentos, seus componentes são absorvidos pelo organismo que produz o tipo e o colágeno do qual está precisando.

Nesse caso, pode-se optar tanto por alimentos de origem animal, como carnes, ovos, queijos, leite, iogurtes, quanto os de origem vegetal, como feijão, edamame, lentilha, spirulina e grão de bico, por exemplo.

Suplementos de colágeno

Fazer o uso de suplemento alimentares ricos em colágeno é de extrema importância, pois com o passar dos anos (especialmente a partir dos 30 anos idade, embora isso varie de pessoa para pessoa), o organismo diminui naturalmente na casa de 1% a produção da substância.

Além disso, alterações intestinais tendem a diminuir o processo de absorção de nutrientes por meio da alimentação, o que também pode causar a diminuição natural do colágeno em nosso organismo. Por isso, buscar alternativas em termos de suplementação é uma boa ideia.

Depois de aprender tudo sobre os diferentes tipos de colágeno, que tal continuar com seu aprendizado no universo da suplementação? Para isso é só clicar aqui e ter acesso a todo o conteúdo do nosso blog!

Entenda qual a importância dos polivitamínicos para a saúde da família

Entenda qual a importância dos polivitamínicos para a saúde da família

Você sabe o que são polivitamínicos, quais seus benefícios e quais os impactos positivos eles tem na saúde da família? 

Vitaminas e minerais são essenciais para o pleno funcionamento e consequente desenvolvimento do organismo. 

Cada vitamina e mineral agem de maneira única e complementar. Baixos níveis dessas substâncias podem acarretar problemas de saúde e até mesmo o surgimento de doenças em diferentes momentos da vida, por isso os polivitamínicos são tão importantes para a saúde individual e familiar.

Mas você não sabe o que são polivitamínicos e como eles podem te ajudar? Não deixe de conferir! 

Polivitamínicos para a saúde da família: Um olhar mais abrangente

As vitaminas e minerais são substâncias isenta de calorias, mas de grande importância para saúde de maneira geral, pois são consideradas reguladoras, ou seja, agem de maneira a regular uma série de reações bioquímicas e fisiológicas de forma a manter a saúde como um todo.

Suplementos polivitamínicos são importantes para a saúde familiar, pois trazem benefícios às crianças, adolescentes, adultos e idosos, como mostraremos a seguir.

Crianças e adolescentes

Crianças e adolescentes que não consomem quantidades adequadas de vitaminas e minerais podem apresentar atraso no crescimento, carências nutricionais individuais, além de desenvolver alguns tipos de doenças.

Nessas fases da vida, tanto as crianças quanto os adolescentes, normalmente apresentam seletividades alimentares, além de neofobia, que é o medo/receio de experimentar novas opções de alimentos, o que pode facilitar o surgimento e instalação de carências nutricionais.

Embora todos os nutrientes sejam importantes nessas fases, ferro, cálcio, vitamina A, vitamina D e zinco se mostram ainda mais essenciais.

O ferro é importante para evitar a anemia, doença muito comum nessa fase da vida. O cálcio é outro mineral fundamental, pois participa ativamente da formação, desenvolvimento e fortalecimento de ossos e dentes.

Já a vitamina A e a vitamina D agem de maneira a otimizar o funcionamento e desenvolvimento do sistema nervoso e sistema imunológico. Em especial, a vitamina D colabora ainda para a absorção adequada do cálcio.

O zinco atua diretamente na produção de enzimas e alguns hormônios como a insulina por exemplo, fundamental para controle da glicemia sanguínea.

Adultos

Como se sabe, os adultos possuem necessidades fisiológicas diferentes das crianças, por isso, a necessidade por vitaminas e minerais é diferente.

Vitamina B12, Zinco, Magnésio são excelentes exemplos de micronutrientes que não podem faltar no organismo de adultos.

Não apenas a vitamina B12, mas as vitaminas do complexo B são importantes para a saúde de neurônios, além da renovação das hemácias, importantes para controle de oxigênio e nutrientes pelo corpo.

O zinco potencializa a funcionamento da vitamina D, favorece a ação do sistema imunológico, além de poderosa ação antioxidante e fortalecimento tecidual, como pele, unha e cabelos.

Já o magnésio é importante para o controle da glicose sanguínea, pressão arterial, ação anti-inflamatória e fortalecimento da função cardiovascular, além de regular a ação de outros minerais, como zinco, cobre e o potássio.

Idosos

O pessoal da melhor idade também precisa de atenção. Nesse grupo, vitamina C, sódio, potássio, Vitamina D, cálcio, selênio e cobre não devem ser negligenciados.

A vitamina C ajuda na imunidade e na síntese de colágeno, importante para manutenção de tecidos como músculos, ligamentos e articulações.

O sódio e o potássio controlam a pressão arterial, evitando quadros de problemas renais, AVC ou infarto.

A vitamina D ajuda na absorção e manutenção de cálcio, importantes para saúde óssea e muscular, além de favorecer o fortalecimento muscular.

O selênio, por sua vez, mantém a tireóide funcionando adequadamente, evitando alterações hormonais e o cobre, além de atuar na formação e funcionamento enzimático, contribui para absorção e estoque de vitamina C, evitando erros inatos de DNA.

Polivitamínicos são importantes para a saúde da família

Além das necessidades de cada fase da vida, uma série de fatores podem atrapalhar não só a ingestão como a absorção de vitaminas e minerais por pessoas de qualquer idade. Preferências alimentares, presença de patologias e mau funcionamento intestinal são as principais.

Por isso, buscar um polivitamínico, desde que haja consentimento e orientação profissional para isso, é sem sombra de dúvidas, a melhor maneira de manter a saúde de toda a família de forma simples e funcional.

Depois de descobrir a importância dos polivitamínicos, te apresentamos uma linha completa com três formulações altamente desenvolvidas para atender a necessidade de todas as idades, a linha Glineon. 

Para mais informações sobre a nossa linha de polivitamínicos é só clicar aqui.

Quando o assunto é a saúde da sua família, você pode contar com a Dovalle.

Como escolher o suplemento ideal para aumentar a imunidade?

Como escolher o suplemento ideal para aumentar a imunidade

Saiba como é possível escolher um suplemento capaz de aumentar a imunidade.

Ser saudável é um objetivo que muitas pessoas têm em comum e não é algo tão difícil de alcançar.

De mãos dadas com a boa saúde, outro desejo é aumentar a imunidade, o que previne o surgimento de doenças, principalmente em períodos sazonais, causadas, principalmente, pela má alimentação e a falta de exercícios físicos regulares. 

É importante ressaltar que é  possível aumentar a imunidade por meio de uma alimentação balanceada e rica em vitaminas e minerais, mas é sempre muito importante balanceá-la com o uso de suplementos alimentares recomendados por profissionais da saúde. 

Mas como saber qual o suplemento ideal para você e seu organismo? É essa resposta que tentaremos te dar agora mesmo, logo abaixo. Não deixe de conferir! 

Compreendendo o que é suplemento 

Como o nome já sugere, um suplemento é um produto desenvolvido de maneira especial, com a finalidade de complementar o que somente os alimentos não conseguem suprir, ou seja, acrescentar no organismo de uma pessoa determinadas substâncias que estão reduzidas por diferentes causas.

Suplementos alimentares são formulados por substâncias altamente purificadas, associadas ou não, cujo objetivo é preencher lacunas alimentares ou ofertar nutrientes em períodos de necessidade aumentada, como a gestação, por exemplo.

Quando a alimentação não é suficiente, fazer uso de suplementos é a melhor forma de aumentar a imunidade.

Escolhendo um suplemento para aumentar a imunidade

É chegada a hora, então, de aprender como escolher um suplemento para prover aumento da imunidade. Separamos algumas dicas bastante claras para te ajudar nessa questão.

Busque uma boa gama de vitaminas

O primeiro passo na hora de escolher um suplemento para melhorar o funcionamento do seu sistema imune é buscar por uma boa gama de vitaminas.

Nesse caso, as principais vitaminas que auxiliam no funcionamento de nossa imunidade são:

  • Vitamina A;
  • Vitaminas do complexo B;
  • Vitamina C;
  • Vitamina D;
  • Vitamina E.

A vitamina A possui um poderoso caráter antioxidante sistêmico, capaz de inibir a ação de radicais livres, e por sua vez, fazer o organismo trabalhar de maneira linear, o que garante pleno funcionamento das células imunitárias.

A vitaminas do complexo B, principalmente as vitaminas B6, B9 e B12 atuam na produção de energia das células, colaboram para maturação de células do sangue e transporte de nutrientes e oxigênio, além de participar de sínteses de DNA e RNA, fundamentais para respostas imunológicas.

Como muitos sabem, a vitamina C possui poderosa ação antioxidante e anti-inflamatória sistêmica, além de otimizar a respostas inatas e adaptativas do sistema imune.

Embora seja chamada de vitamina, a vitamina D possui estrutura semelhante a um hormônio, e suas ações se dão diretamente sobre a produção e maturação de células imunológicas, além de poderosa ação de combate ao surgimento de doenças autoimunes.

E por fim, temos a vitamina E, que em estudos recentes, se mostrou uma ótima alternativa para regular a ação de células dendríticas, macrófagos, natural killer (NK), além de células T e B, todas pertencentes ao sistema imune.

Presença de minerais é importante

Assim como as vitaminas, alguns minerais também são importantes para aumentar a imunidade. É o caso do selênio e do zinco.

O selênio é um mineral com grande capacidade anti-inflamatória, o que melhora a resposta imunitária, sendo de grande importância para aumento da imunidade, principalmente para o combate de doenças oportunistas.

Já o zinco, possui ação direta sobre o funcionamento dos linfócitos, células de defesa do organismo. Além disso, o mineral tem ação positiva sobre processos inflamatórios e diminui erros inatos de DNA, questões que estão diretamente ligadas à imunidade.

Wellmune faz a diferença

O Wellmune é um tipo de beta-glucana de levedura, extraído da parede celular de uma cepa de levedura. Trata-se de um composto altamente funcional e purificado, naturalmente livre de glúten e sem nenhum tipo conversantes. 

Por conta de sua composição e mecanismos de ação, podemos afirmar que a simples presença de Wellmune na composição de um suplemento, simplesmente potencializa a saúde de seu usuário. 

Controle glicêmico, melhora da resposta insulínica, ação anti-inflamatória, aumento de capacidade de absorção de nutrientes são os principais efeitos benéficos do Wellmune. 

Além de potencializar a saúde intestinal, esse tipo de fibra também é uma ótima opção para o melhor funcionamento e consequente fortalecimento do sistema respiratório.

Diferentes formas de administração

E por fim, além da presença de vitaminas, minerais e fibras, um suplemento para aumentar a imunidade deve conter diferentes formas de administração, podendo assim ser consumido por pessoas de diferentes idades, desde crianças à idosos.

Imunovalle é sua opção para auxiliar no funcionamento do sistema imune

Depois de descobrir como escolher um suplemento para aumentar sua imunidade temos uma boa notícia que vai facilitar sua vida. Trata-se do novo lançamento do Laboratório Dovalle: o Imunovalle.

Elaborado com vitaminas, minerais e beta-glucana e em diferentes versões de consumo ele é a melhor opção para quem busca o fortalecimento do sistema imunológico. 

Manter sua imunidade em dia nunca foi tão simples! Para conhecer o Imunovalle, basta clicar aqui!

Os 6 nutracêuticos mais prescritos na nutrição estética

Nutrição estética

Sempre que se fala em nutrição estética, muitos pensam diretamente no consumo de alimentos e uso de suplementos voltados somente à beleza. 

Entretanto, é preciso desmistificar essa situação. 

A nutrição estética visa, antes de mais nada, a promoção de saúde. A potencialização estética é uma mera consequência desse tipo de ação. 

Foi pensando nisso, que resolvemos produzir esse artigo, mostrando quais são os principais nutracêuticos mais prescritos por nutricionistas clínicos e estéticos.

A nutrição estética e os principais nutracêuticos

Cada vez mais, a ação dos nutracêuticos é conhecida pelas pessoas. Embora a nutrição seja o caminho natural para absorção de substâncias, nem sempre a obtenção de nutrientes é possível somente através da alimentação.

Falta de tempo, condições de saúde pré-existentes, dificuldade organizacional e preferências gustativas tornam o uso dos nutracêuticos cada vez mais comuns.

A lista com os nutracêuticos mais prescritos atualmente é a seguinte:

  • Colágeno;
  • Ômega 3;
  • Probióticos;
  • Resveratrol;
  • Fitoesteróis;
  • Aminoácidos. 

Vamos falar agora um pouco sobre como cada um desses nutracêuticos age no organismo.

1. Colágeno

O Colágeno é um suplemento com alta adesão, por contribuírem para a saúde da derme como um todo, promovendo aumento da elasticidade, hidratação e consequentemente firmeza da pele. 

Por isso, o colágeno também é um ótimo aliado para evitar a formação de marcas de expressão, rugas e estrias. 

2. Ômega 3

O ômega 3 está entre os nutracêuticos mais prescritos há um bom tempo. Conhecido principalmente por conta de sua capacidade cardiovascular e neurológica, esse tipo de ácido graxo é também bastante eficaz no tratamento de desordens clínicas que atingem níveis estéticos, como celulites, alergias e ação cicatrizante.

Além do mais, o ômega 3 também colabora para diminuir a inflamação crônica, facilitando o processo de perda de peso.

3. Probióticos

Os probióticos se fazem cada vez mais frequentes na lista de nutracêuticos mais prescritos por nutricionistas. Trata-se de produtos feitos à base de microrganismos vivos com o intuito de promover o equilíbrio da microbiota intestinal. 

E quando o intestino está em pleno funcionamento e realizando suas funções de forma saudável, ele garante impacto positivo à saúde dos cabelos, unhas e principalmente da pele. 

4. Resveratrol

Outro campeão dentre os nutracêuticos mais prescritos, o resveratrol possui uma série de benefícios à saúde, uma vez que tem grande poder antioxidante, protegendo o organismo contra o estresse oxidativo.

É muito prescrito no combate à inflamações, prevenção de câncer, melhora da aparência da pele, controle dos níveis de colesterol e eliminação de toxinas do organismo.

Além disso, nutracêuticos com poder oxidante são extremamente importantes para o organismo e combatem o envelhecimento da pele, pois neutralizam radicais livres (moléculas que danificam as células e criam marcas e linhas de expressão na pele). 

5. Fitoesteróis

A prescrição de fitoesteróis cresce de maneira rápida entre os nutricionistas. A exemplo do ômega 3, esse nutracêutico é um ácido graxo, ou seja, uma gordura, porém, com alta capacidade antioxidante e anti-inflamatória.

Quando utilizado de maneira conjunta com o ômega 3, esse nutracêutico promove um controle antioxidante e anti-inflamatório generalizado, trazendo resultados como melhora do aspecto da pele, redução de líquidos, diminuição de resistência insulínica, além de facilitar a perda de peso.

6. Aminoácidos

Aminoácidos também estão presentes entre os nutracêuticos mais prescritos. Esses compostos possuem uma série de funções no organismo capazes de potencializar a saúde e refletir de maneira estética.

Os aminoácidos podem ser utilizados para manutenção, regeneração e consequentemente ganho de massa muscular, podendo assim, ser consumido por atletas profissionais e amadores, com o intuito de aumento de performance, emagrecimento, definição muscular e firmeza da pele.

Além disso, aminoácidos podem ser utilizados para a produção de neurotransmissores, como endorfina e serotonina, que são responsáveis pelo aumento da sensação de bem-estar e tranquilidade, o que favorece boas noites de sono reparadoras. Isso contribui para controle do estresse e ansiedade, além de favorecer a perda de peso e diminuir rugas, marcas de expressão e até mesmo olheiras.

Embora nutracêuticos sejam produtos de origem natural, é importante que sua utilização ocorra de maneira segura e adequada, ou seja, através da prescrição de um profissional capacitado e apto para isso.

Confie em quem tem expertise em nutracêuticos!

Agora que você já conhece alguns dos nutracêuticos mais prescritos para a nutrição estética, é importante conhecer e confiar em quem tem experiência no ramo. 

A Dovalle possui 50 anos de atuação no mercado de nutracêuticos, com esforços voltados para pesquisa, desenvolvimento, fabricação e atendimento em todo o território nacional.

Com uma equipe multidisciplinar especializada atuando nos bastidores, os produtos da Dovalle possuem qualidade desde o momento da pesquisa até a chegada aos consumidores. Por isso, na hora de consumir nutracêuticos, lembre-se da gente! 

Clique aqui e conheça nossa linha completa de nutracêuticos.